Não há dúvidas de que o profissional de segurança está sendo valorizado nas empresas e que a projeção é que, cada vez mais esse profissional, em conjunto com sua área de atuação, ganhe seu espaço. O problema é realmente saber o que será necessário aos Gestores de Segurança para que eles possam se destacar em suas posições. A opção cada vez mais ampla por empresas terceirizadas, aliado à necessidade maior de diálogo com os executivos traz a exigência por algumas habilidades que antes não eram tão necessárias. Veja a seguir 5 habilidades que serão cruciais para qualquer Gestor de Segurança nos próximos anos:

  1. Entenda o quadro completo do gerenciamento de risco: Cada vez mais as soluções de segurança estão automatizadas, a adoção de empresas terceirizadas para gerenciamento dos ativo de segurança também aumenta. Os gestores de segurança deverão conhecer profundamente o negócio da empresa, saber identificar o quadro completo de gerenciamento de riscos da empresa e aplicar as soluções que melhor atuam para mitigar esses riscos. “Para serem capazes de realizar análises de risco os gestores deverão desenvolver outras habilidades, como melhor comunicação, apresentação e habilidades relacionadas aos negócios, de forma que eles possam interagir com os executivos e garantir que os requerimentos de segurança estejam em conformidade com os requerimentos do negócio” completa Mariana Cavalcante, gerente de operações da Real Protect.
  2. Tenha conhecimento sobre dados e Big Data: O aumento constante da utilização de dados corporativos, a grande complexidade das arquiteturas de TI e a grande demanda que as empresas estão tendo em compreender os dados de segurança gerados vão continuar a exigir profissionais de segurança que possam trabalhar em conjunto com especialistas em dados, para realizar os ajustes finos e responder melhor às ameaças. Isso está diretamente relacionado com as novas ameaças, como é o caso dos APT’s. Os novos ataques são praticamente invisíveis, e, para serem descobertos, é necessário minerar os dados e analisar a fundo para revelar comportamentos maliciosos e atividades suspeitas.
  3. Seja mais colaborativo: O gerenciamento de TI das empresas é um processo constante de implementações e integrações. A segurança não foge desse padrão. Isso fará com que o gestor de segurança precise cada vez mais trabalhar em conjunto com outros setores. Estar evolvido com esses outros setores pode ser muito positivo para o gestor, que vai estabelecer outros relacionamentos dentro da empresa e poderá trabalhar a segurança de forma mais holística. Se isolar durante essas operações conjuntas, ou somente pensar no que é do interesse de sua área pode ser desastroso aos olhos dos executivos.
  4. Tenha um equilíbrio entre o lado técnico e o gerencial: “Ter um equilíbrio entre esses fundamentos é vital para alguém na posição do gestor de segurança ter sucesso e se destacar. O comum é ver profissionais ou de perfil apenas técnico ou de perfil apenas gerencial. É um desafio encontrar um gestor que tenha essa combinação.” completa Mariana. Um bom gestor de segurança, ao mesmo tempo em que apresenta uma excelente performance de gerenciamento e conquista os objetivos mesmo com os desafios apresentados, também precisa ter um bom conhecimento técnico, a fim de orientar sua equipe e também compreender o quadro geral das situações que se apresentarem.

  5. Acompanhe as novas tendências: As redes corporativas e a arquitetura de TI parecem ser complexas hoje, e realmente são, se comparadas com uma década atrás. Contudo, devemos esperar nos próximos anos a piora desse cenário. Teremos a explosão do IoT, dispositivos smart e mais pontos para se pensar na questão da segurança. “O gestor, além de conhecer as novas infraestruturas e arquiteturas da TI, também precisa estar a par dos riscos que acompanham essas novidades e estar antenado com cenário de ameças global para uma melhor tomada de decisão.”