A utilização cada vez maior de dispositivos móveis e computação na nuvem está impulsionando o orçamento e o gasto com segurança, isso ocorre na medida em que as empresas estão mais cientes das ameaças representadas por essas tendências. O gasto mundial com segurança da informação vai ser maior que U$71 bilhões esse ano, um aumento de 7,9% em relação a 2013. Segundo o Gartner, a prevenção de vazamento de dados vai receber a maior parte do bolo, sendo responsável por 18,9%.

Parte das ameaças que surgem com dispositivos móveis e computação na nuvem estão relacionadas com a democratização das ameaças, hoje, malwares e outras ferramentas maliciosas podem ser compradas facilmente e utilizadas para a realização de ataques complexos e direcionados. Ao passo em que isso tornou a vida dos CSO’s muito mais difícil, também contribuiu para o entendimento geral de que segurança da informação é algo vital para o negócio. De acordo com o Gartner, a segurança não é mais vista como uma ferramenta isolada de TI.

A crescente popularidade das aplicações e infraestrutura baseadas na nuvem também está mudando a percepção sobre a segurança. Em 2015, por volta de 10% de todas as capacidades corporativas de TI serão entregues via serviço na nuvem. Empresas de pequeno e médio porte terão ainda mais dependência desse tipo de serviço.

Muitas empresas ainda possuem déficit de profissionais qualificados em segurança. Para o Gartner, em 2018, mais da metade das empresas contará com serviços gerenciados de segurança para conseguirem acompanhar o ritmo dos hackers e protegerem seus suas infraestruturas. A consultoria diz que essa é uma forma eficiente de suprir a falta de mão de obra, assim como auxilia na redução de custos e aumenta a efetividade do gerenciamento de riscos.

O Gartner vai detalhar essas e outras tendências durante o Encontro de Segurança e Gerenciamento de Risco em Sidney.