O Instituto Ponemon entrevistou cerca de 500 CSO sobre o cenário de riscos cibernéticos em suas empresas no ano de 2018 e encontrou um cenário preocupante nesse início de ano. A dificuldade em contar com uma equipe capacitada, os grandes vazamentos de dados e os ciberataques figuram alto na lista de preocupações. De acordo com a pesquisa, 70% dos entrevistados citaram uma falta crítica de pessoal qualificado na equipe como principal problema para o ano, outros 67% indicaram que a empresa está mais exposta a sofrer um incidente em 2018.

Além das preocupações envolvendo a expertise in-house, mais da metade dos CSO citaram uma inabilidade para proteger dados sensíveis de acesso não autorizado, dificuldade para manter o passo dos ataques sofisticados e ocultos dos hackers e uma falha no controle do uso de dados sensíveis por partes terceiras.

 

Quais as preocupações dos CSO

Os orçamentos de segurança de 2018 não refletem o aumento de preocupação da Segurança. Um terço dos pesquisados apontaram que possuem orçamento inadequado. Os orçamentos de Segurança tenderam a ficar estagnados desde o último ano segundo 40% dos CSO. 36% Deles disseram esperar um aumento e outros 23% apontaram um tendência contrária, esperando um declínio do orçamento disponível.

Tecnologias disruptivas como IoT também passaram a ter ranqueamento alto nas preocupações dos CSO, com 47% dos entrevistados dizendo que temiam um incidente devido a inabilidade de se proteger os dispositivos IoT presentes no ambiente corporativo. IoT, nuvem e dispositivos móveis encabeçam o Top3 tecnologias disruptivas para as empresas cuidarem da segurança em 2018, mídias sociais e bitcoin estão bem abaixo na lista, sendo listadas por menos de 25% dos entrevistados.

Pesquisa sobre as preocupações do CSO em 2018

Pesquisa sobre as preocupações do CSO em 2018.

Questões para ficar atento

Mais de metade dos respondentes da pesquisa estão antecipando um aumento do envolvimento do board executivo com as questões de segurança em 2018 e nos próximos anos. Ao passo que isso é boa notícia para a maior parte das empresas, 66% dos CSO temem que o cargo se torne mais estressante. Uma dado importante é que 44% desses executivos planejam um movimento lateral na empresa, deixando de encabeçar a Segurança para conquistar um outro posto, um forte indício do cenário preocupante e complicado que temos pela frente.