É possível que as instituições financeiras representem o segmento de negócio privado mais bem protegido contra ameaças. O problema é que também está no topo da lista de setores que são mais atacados. Esses foram os resultados apresentados por uma pesquisa realizada pelo SANS Institute.

A despeito do grande preparo e da complexidade da defesa presente no setor financeiro, os ataques ainda passam. Um grande contribuinte para esse cenário são os insiders, tanto maliciosos quanto os que caem em golpes de engenharia social. Os atacantes burlam as defesas a partir das fraquezas humanas no processo. São os insiders e a engenharia social que fizeram com que o prejuízo direto com as contas comprometidas se tornasse o maior problema de segurança do setor financeiro.

Além de utilizar as soluções de segurança, é essencial contar com gestão, monitoramento de segurança e educação dos colaboradores. De acordo com a pesquisa, os gestores do setor financeiro possuem sérios problemas de visibilidade para se proteger contra riscos aos endpoints, ameaças de insiders, e dispositivos móveis.

A pesquisa também mostra que os investimentos de segurança no setor estão crescendo, mas muito do orçamento é desperdiçado, já que não é aplicado de forma eficiente. Os gestores devem garantir que os investimentos de segurança encontram seus objetivos de negócio e são aplicados de forma a garantir toda a vantagem possível a partir do recurso destinado.

Veja o relatório completo aqui.