O aplicativo mais utilizado no mundo para troca de mensagens foi novamente bloqueado pela justiça no Brasil, a justificativa é que a empresa detentora do aplicativo não está colaborando da forma devida com investigações criminais e o bloqueio é uma forma de punição. Para burlar o bloqueio, muitos usuários estão utilizando aplicativos gratuitos com sistemas de VPN, conseguindo continuar o com o envio e recebimento de mensagens.

De forma resumida, esses sistemas de VPN mascaram a origem do usuário, parecendo que ele acessa de outro país, de forma que o Whatsapp passa a funcionar. Em países como a China, é comum a utilização desses aplicativos para fugir da censura de internet.

O problema é que a utilização desses sistemas é repleta de riscos à segurança: a empresa, organização ou pessoa que mantém essa VPN pode capturar todos os dados trafegados. Ao contrário do que muitos pensam, esses dados não se restringem ao que é enviado e recebido via Whatsapp, toda a navegação fica sujeita a esse risco. Outros riscos possíveis são a exploração de vulnerabilidades do dispositivo utilizado, possibilitando por exemplo roubo de informações bancárias e ataques ao IP, que também podem prejudicar o usuário.

Como se diz em política, “não existe almoço grátis”, quem mantem esse tipo de VPN gratuita está lucrando de alguma forma, seja pela inserção de anúncios em sua conexão ou pelo monitoramento e roubo de seus dados.