Tecnologia voltada a consumidores comuns é conveniente, fácil de assimilar e divertida de usar. No entanto, ela é, geralmente, menos segura e gerenciável do que é requerido pelo mundo corporativo. Mas, em tempos de consumerização, é inevitável que esses dois mundos se misturem e, para que sejam evitados ataques e exposição de informações confidenciais, é importante que as companhias tenham uma abordagem estratégica da segurança, com políticas flexíveis e ferramentas adequadas.

Com isso em mente, o novo levantamento realizado pela Trend Micro aponta que a segurança corporativa voltada à mobilidade deve levar em consideração o cargo de cada executivo. Afinal, cada colaborador, a depender de suas funções, tem acesso a um nível específico de informação e, sendo assim, as ferramentas escolhidas têm de ir ao encontro dessa premissa.
Executivo: por conta de sua alta visibilidade, são mais suscetíveis a ataques direcionados e planned device compromise. Seus emails e informações armazenadas no device são de grande valia para chantagens e spear-phishing.

Gerente: como manipulam dados de funcionários e informações substanciais referentes à Propriedade Intelectual, os gestores devem ser vistos de forma semelhante no que se relaciona ao compliance.

Colaborador sujeito à compliance: trabalhando em operações de áreas como RH e Finanças, esses usuários estão regularmente de posse de dados sujeitos a controles de segurança ditados e executados por vários requisitos de conformidade.

Colaborador padrão: esses usuários, em geral, acessam apenas às funcionalidades básicas do PIM (Personal Information Manager) de seus aparelhos móveis

Executivo de campo (ou remoto): pela natureza de sua ocupação, eles geralmente armazenam dados em seus aparelhos, para serem usados quando estão fora do alcance de redes de internet. Esses usuários necessitam de controles de segurança adicionais.

Usuários ocasionais: em toda empresa, há uma porção de pessoas que têm acesso às informações da companhia, mas não são funcionários contratados – são prestadores de serviços, por exemplo. Esses usuários são o maior desafio em termos de segurança.

O report também apresentou uma avaliação isenta dos quatro principais sistemas operacionais móveis: BlackBerry OS, Apple iOS, Windows Phone e Android. O levantamento mostrou que, como um grupo, as plataformas mais modernas proporcionam – substancialmente – mais segurança que os sistemas operacionais tradicionais para desktop, quando são levados em consideração mecanismos embutidos, autenticação e proteção de dados.

“Apesar de haver esse avanço na segurança, ainda há espaço para melhoras e os principais pontos que o gerente de TI deve considerar incluir são: certificações de segurança, firewall para o aparelho e suporte para virtualização”, afirma Fabio Picoli, diretor comercial da Trend Micro Brasil.

*Matéria Decision Report